Adiado o julgamento do caso J. A. de Aquino em Óbidos

07-05-2011 07:14

Edsérgio Moraes

A sessão do tribunal do júri que julgaria na última quinta-feira 5, os réus João dos Santos Galvão e Luiz Roberto da Silva e Silva, acusados de participarem do assassinato do empresário j. A. de Aquino em 2008, foi adiado. O motivo da suspensão foi a ausência de duas testemunhas convocadas para deporem no julgamento.

            A sessão foi instalada as 08:30h, presidida pela juíza substituta da comarca de Óbidos Patrícia de Oliveira dos Reis que leu o adiamento e convocou para o próximo tribunal marcado para o mês de agosto. Antes do encerramento da sessão os advogados de defesa dos réus solicitaram do tribunal a liberdade provisória aos réus alegando excesso de tempo, pedido que foi contestado pelo representante do Ministério público e indeferido pelo tribunal.

            Segundo a magistrada, Dra. Patrícia de Oliveira Reis, o julgamento foi adiado pelo motivo da ausência de uma testemunha arrolada em caráter de imprescibilidade. “Ficou determinado que a próxima sessão do tribunal seja nos dias 24 e 25 de agosto do corrente ano. O pedido de liberdade provisória dos réus solicitada pela defesa foi indeferida, os motivos foram lidos durante a sessão, na verdade é a garantia da ordem pública, a conveniência de instrução criminal e a garantia de aplicação da lei penal, além de não ter sido configurado o excesso de prazo alegado pela defesa”, comentou.

            Para o advogado de defesa, Carlos Alberto Machado Rufino, o Ministério Público fez a análise do pedido de liberdade provisória e não se manifestou a favor e a juíza homologou. “O que acontece, a liberdade provisória pelo adiamento de um tribunal do júri ele é fundamental, acontece que pelo caso dos réus não morarem em Óbidos, morarem longe e terem residências em outro local isso tudo favorece. O crime aqui em Óbidos foi muito de repercussão, era um empresário de renome e reconhecido e isso favoreceu claro a acusação. Então os réus vão permanecer presos até em agostos na nova sessão do júri”.

CRIME – O empresário J. A. de Aquino, 54 anos, foi assassinado no dia 06 de abril de 2008 dentro da garagem de sua casa, quando voltava de uma festa junto com Gracinei Barros de Aquino. O casal foi abordado por dois homens que dispararam quatro tiros contra ele e um em Gracinei. O empresário morreu no local e a mulher foi levada para o hospital baleada no pescoço e sobreviveu ao disparo.

QUADRILHA - Ao todo seis pessoas são acusadas de participação no assassinato do empresário, são eles João dos Santos Galvão e Luiz Roberto da Silva e Silva que seriam julgados na quinta-feira pelo tribunal do júri, Francisco Teixeira de Farias, Raimundo Cesar Silva da Silva, Raimundo Moura da Silva, este em 2009 foi encontrado morto em uma cela do presídio Silvio Hall de Moura em Santarém e Adry Paixão Ramos este ultimo julgado e condenado a 20 anos de prisão no dia 05 de maio de 2010.