Aumenta registro de violências contra menor em Monte Alegre

04-06-2011 08:16

Segundo os dados do Conselho Tutelar de Monte Alegre, o número de casos envolvendo violência contra a criança e adolescente tem aumentado no município.
            O conselheiro Aluísio Borges diz que só neste primeiro semestre de 2011, o número de casos já ultrapassa os registrados no ano de 2010. “Esse semestre já ultrapassou as ocorrências do ano passado. No ano passado, nós tivemos 15 ocorrências, neste ano nós já temos mais de 16 ocorrências. E muitos desses crimes ainda estão impunes, os quais nós já estamos pedindo revista do processo para que os culpados sejam punidos”. – explica.

            Com o objetivo de paralisar o crescimento dessas estatísticas no município, o Conselho Tutelar, em parceria com as Polícias Civil e Militar, está trabalhando sobre a portaria de número 11, que coíbe a presença de menores a partir das 22 horas, desacompanhados dos pais ou responsáveis. De acordo com o conselheiro, um trabalho de fiscalização está sendo realizado para monitorar e identificar estabelecimentos que não estão cumprindo com a portaria.
            O Conselho Tutelar divulgou que dos casos de violência contra crianças e adolescentes registrados, em sua maioria, estão relacionados a abuso sexual, pedofilia e turismo sexual. Porém, ele destaca que nem sempre os casos são registrados, tendo em vista que muitas crianças e adolescentes têm medo de dizer a alguém o que se passou com elas.

            Borges destaca que as denúncias também podem ser feitas através do telefone. “Nós pedimos as pessoas, o povo de Monte Alegre: denuncie! Não tem coragem de ir no Conselho Tutelar, na Polícia? Disk 100, mas denuncie, porque se você não denunciar, você é conivente e tá também alimentando o crime contra a criança e adolescente”.

            O trabalho do Conselho Tutelar também mostra que diferentemente do que muitas pessoas pensam a violência atinge todas as classes. Seja qual for o número que se vê nas estatísticas, deve-se ter em mente de que, de fato, esse dado pode ser bem maior e o dano emocional e psicológico dessas experiências, em longo prazo, pode ser devastador.

            O conselheiro ainda afirma que o trabalho também é feito no combate ao trabalho infantil.“Estamos também no combate à exploração do trabalho infantil, se vê em Monte Alegre muitos desses crimes. Nós estamos 24 horas no ar, trabalhando, identificando, encaminhando, aplicando e autuando de acordo com cada situação”. – ressalta. (Portal No Tapajós)