Seis áreas de risco ameaçam tragédia em Monte Alegre

07-05-2011 07:18

Pelo menos seis áreas em bairros diferentes da cidade de Monte Alegre estão com risco de desabamento. Centenas de famílias residentes nos bairros do Turu, Camarazinho, Serra Ocidental, Cidade Baixa, Serra Oriental e Curintanfã podem perder suas casas a qualquer momento.

            As residências construídas de forma irregular em áreas impróprias para habitação podem ser atingidas por deslizamento de terra a qualquer momento. Os moradores ficam sempre apreensivos assim que começa a chover. Em todas as áreas já ocorreu deslizamento de terra esse ano, mas sem vítima fatal, apenas danos materiais.

            Algumas famílias já deixaram suas casas e foram para residências de parentes ou mesmo para a zona rural, mas a maioria insiste em permanecer no local. A reportagem do jornal Tribuna da Calha Norte, ouviu alguns moradores que dizem não ter para onde ir. Segundo a Sra. Maria de Jesus, que também está em área de risco no Camarazinho, a Prefeitura do município já esteve no local mas apenas disse para ela deixar sua casa porque  está no pé do morro, mas não ofereceu ajuda para morar em outro local, “eu não tenho para onde ir, vim morar aqui porque não tenho condições de comprar uma casa em área como o Planalto”, disse, argumentando ainda que nas noites de chuva dorme com seus dois filhos embaixo da mesa com medo de uma pedra cair sobre a casa dela.

            Outro morador disse que na ponta da Serra Ocidental, a esquerda de quem sobe pela escadaria do corro,  próximo aos fundos da fábrica de gelo Tropical, existe um profundo buraco vertical que pode a qualquer momento causar um desmoronamento de terra naquela área.

Tragédia – Em abril de 1956, um deslizamento, ocorrido na ponta da Serra Oriental, matou 19 pessoas e deixou dezenas feridas. Na época foi retirada as famílias da área e passaram a habitar na Cidade Alta, mas nos últimos anos a área voltou a ser ocupada com invasões seqüenciais na Cidade Baixa, que construíram casas não apenas no pé da serra mas também em área alagada, sem que nenhuma autoridade tenha tomado providencias.