Setrans vai mandar construir cerca de proteção do aeroporto de Monte Alegre

04-06-2011 08:42

José M Piteira

Já está correndo o processo licitatório para a contratação pelo Estado de uma empresa que irá construir uma nova cerca de proteção no aeroporto da cidade de Monte Alegre. A obra deverá seguir os padrões exigidos pela Anac.

            A informação partiu do próprio secretário de Transporte do Estado, Francisco Melo, ‘Chicão’, que a Setrans vai mandar construir a nova cerca de proteção no aeródromo de Monte Alegre, para então, solicitar da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a reativação do aeroporto.

            Mais de um ano depois da interdição do Aeroporto de Monte Alegre pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a Secretaria de Estado de Transporte (Setran) desta vez tomou pra si a responsabilidade do aeroporto de Monte Alegre, o que gera expectativa principalmente da classe de empresários e comerciantes, que sentiram os efeitos na queda das vendas no comércio da cidade. Tudo porque o transporte de valores passou a não vim com freqüência ao município, forçando os funcionários públicos, assim como aposentados e pensionistas se dirigirem para Santarém e Alenquer para receberem seus dinheiros, com isso, por aqueles municípios essas pessoas acabam realizando suas compras.

Incentivo - Uma boa notícia associada ao Aeroporto de Monte Alegre foi dada pelo governador Simão Jatene, quando ele se reuniu com a deputada Josefina Carmo e o prefeito municipal Jardel Vasconcelos, que está estudando uma forma de incentivar empresas aéreas de transporte regional para voltarem a atuar no interior do Pará. Um desses mecanismos de incentivo seria, segundo Jatene, a redução ou isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) do combustível usado pelas aeronaves.

            No Oeste do Pará, empresas como Penta (já extinta), Meta e Rico já fizeram linhas regionais atendendo municípios-pólo como Santarém, Altamira, Itaituba, Santarém, Rurópolis, Oriximiná e o distrito de Monte Dourado (Almeirim). Hoje, apenas a Total e a Puma ainda operam na região.

            "Tomara que o governo do Estado consiga isso, pois a volta de operação de empresas regionais de aviação em vários municípios do Oeste é um dos clamores da população. Com o incentivo, certamente que mais pessoas poderão utilizar o avião, inclusive para o resgate de pacientes para Santarém ou Belém", afirmou Josefina, entusiasmada com a notícia.